| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

FRADEMA NEWS
Desde: 16/04/2004      Publicadas: 251      Atualização: 27/10/2005

Capa |  Consultoria  |  Curiosidades  |  Cursos e Seminários  |  Dia a dia  |  Humor  |  Internacional  |  Legislação  |  Notas  |  Serviços  |  Tributário


 Dia a dia

  30/09/2005
  0 comentário(s)


Decretada prisão de proprietário que vendeu bem penhorado

Pessoa com dívida trabalhista que tem seu imóvel penhorado e que vende ou se desfaz do imóvel deve ter a prisão civil decretada, por ser depositário infiel. A decisão por maioria é da 1ª Seção de Dissídios Individuais do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas, São Paulo).

Decretada prisão de proprietário que vendeu bem penhoradoDiante da ordem de prisão expedida pela juíza da Vara do Trabalho de São José do Rio Preto o devedor entrou com Habeas Corpus no TRT, com pedido liminar, alegando não ser depositário infiel. Segundo disse, não foi notificado para apresentar o bem ou depositar o valor em dinheiro e que não há provas de que tenha vendido ou se desfeito do imóvel penhorado. Indeferida a concessão da liminar requerida, o processo foi distribuído ao Juiz Manuel Soares Ferreira Carradita. Para o relator a principal obrigação do depositário é guardar e conservar a coisa, restituindo-a no estado em que se encontrava ao tempo em que lhe foi entregue. O devedor era proprietário do imóvel penhorado e aceitou ficar como depositário do bem, mas mesmo assim o vendeu. "Justifica-se a decretação da prisão civil, pois existe o compromisso e o depositário não apresentou o bem a ele confiado, nem o valor correspondente. A ausência de notificação para pagamento da dívida é irrelevante e se deu por culpa exclusiva do executado que não informou nos autos seu novo endereço, conforme lhe competia. Além do mais, a interposição do Habeas Corpus não deixa qualquer dúvida de que o executado sabe o motivo pelo qual corre o risco de ser preso", fundamentoua a juíza que expediu a ordem de prisão, cujos termos foram mantidos pelo relator do Tribunal. "Há amparo constitucional e legal para a manutenção da ordem de prisão", conclui Carradita, que indeferiu o pedido de Habeas Corpus. Leia a ementa do acórdão EMENTA: HABEAS CORPUS. DEPOSITÁRIO PROPRIETÁRIO DO IMÓVEL PENHORADO. VENDA APÓS A ARREMATAÇÃO. INFIDELIDADE. PRISÃO MANTIDA. O executado, proprietário do imóvel penhorado, que assina espontaneamente o auto de depósito do bem e depois, afrontando a Justiça, o vende, deve responder pela apresentação em juízo do respectivo valor, nunca inferior ao valor da avaliação, sob pena de ver decretada sua prisão civil, por restar caracterizada a infidelidade na manutenção e guarda do bem que lhe foi confiado.



  Mais notícias da seção Trabalhista no caderno Dia a dia
20/09/2005 - Trabalhista - Destratar trabalhador em público gera indenização
O patrão pode exigir mais empenho no trabalho, mas não pode destratar o trabalhador com palavras inadequadas. O entendimento é do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas, SP), que condenou uma empresa a pagar R$ 20 mil para cada uma das duas trabalhadoras que entraram com ação de indenização por dano moral. Cabe recurso. ...
02/09/2005 - Trabalhista - EMPRESAS RECLAMAM DA PENHORA DE CONTAS
A Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca) quer reunir entidades empresariais em uma campanha para coibir o chamado "uso indiscriminado" da penhora on line. A principal preocupação é o seqüestro das contas bancárias de sócios e administradores de empresas com pendências trabalhistas. Segundo a entidade, o sistema massificou a penhora ...
07/06/2005 - Trabalhista - Ministério Público pede a penhora de R$ 40 milhões em bens da Vasp
O Ministério Público do Trabalho apresentou para a 14ª Vara do Trabalho de São Paulo um pedido de execução provisória do acordo assinado na semana passada pela Vasp, no valor de R$ 40 milhões. De acordo com o pedido, essa quantia seria obtida por meio da penhora de imóveis da Vasp. ...
17/05/2005 - Trabalhista - TST admite que empresa investigue e-mail de trabalho do empregado
A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito do empregador de obter provas para justa causa com o rastreamento do e-mail de trabalho do empregado. O procedimento foi adotado pelo HSBC Seguros Brasil S.A depois de tomar conhecimento da utilização, por um funcionário de Brasília, do correio eletrônico corporativo para envio ...
08/03/2005 - Trabalhista - Fiscalização fecha cerco contra fraudadores
governo fechou o cerco a empresas que contratam mão-de-obra estrangeira para evitar a ocorrência de fraudes envolvendo esses profissionais. A fiscalização nessas companhias, muitas delas multinacionais e outras grandes corporações de capital nacional, encontrou problemas considerados graves nos contratos de trabalho. ...



Capa |  Consultoria  |  Curiosidades  |  Cursos e Seminários  |  Dia a dia  |  Humor  |  Internacional  |  Legislação  |  Notas  |  Serviços  |  Tributário