| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

FRADEMA NEWS
Desde: 16/04/2004      Publicadas: 251      Atualização: 27/10/2005

Capa |  Consultoria  |  Curiosidades  |  Cursos e Seminários  |  Dia a dia  |  Humor  |  Internacional  |  Legislação  |  Notas  |  Serviços  |  Tributário


 Consultoria

  30/09/2005
  0 comentário(s)


DEFEITO PRÉ FABRICADO

Uma empresa especializada em venda e montagem de casas pré-fabricadas terá de indenizar um comprador de Belo Horizonte, no valor equivalente a todas as despesas necessárias à reparação de defeitos na edificação que adquiriu. O valor deverá ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

DEFEITO PRÉ FABRICADO
De acordo com o processo, o comprador, que é advogado, fez contratos com a empresa em agosto de 2001, para a compra e venda de kit de madeiras, no valor de R$ 29,8 mil e para prestação de serviços de construção e montagem, no valor de R$ 8,1 mil através de cheques pós-datados. No início do mês de janeiro de 2002, o kit de madeiras já estava quitado e foram iniciadas, então, as obras de fundação, no bairro Estoril, em Belo Horizonte. O primeiro carregamento das madeiras foi entregue no final de março, mas as obras só terminaram em julho, contrariando o disposto no contrato, que garantia a conclusão em 60 dias. Ao mudar para a casa, em julho, o advogado constatou várias falhas na construção, como frestas, diferença na viga mestra do telhado e peças fora do prumo. Alegando situação de risco e a ocorrência de inúmeros vazamentos pela casa, o comprador notificou a vendedora, mas esta não tomou nenhuma providência. O juiz da 13ª Vara Cível de Belo Horizonte condenou a empresa a arcar com todas as despesas necessárias para a reparação dos defeitos, negando ao comprador o pedido de indenização por danos morais e pelas despesas com aluguel e condomínio durante os dois meses de atraso na conclusão da obra. Os desembargadores Teresa Cristina da Cunha Peixoto (relatora), Maurício Barros e Selma Marques confirmaram a indenização pelas despesas com reparação dos defeitos e deferiram também o pagamento das despesas com aluguel e condomínio nos meses de junho e julho de 2002. Segundo a relatora, no encarte de propaganda da empresa, anexado aos autos, consta o compromisso da empresa pela total execução da obra, prometendo qualidade e perfeição no produto por ela vendido. Como houve comprovação da perícia oficial de que existem diversos danos e defeitos no imóvel, provocados por erros ocorridos durante a construção e utilização de materiais inadequados, não há dúvida, segundo a desembargadora, quanto à responsabilidade da empresa. 2.0000.00.518016-3/000
  Autor:   Revista Consultor Jurídico, 28 de setembro de 2005





Capa |  Consultoria  |  Curiosidades  |  Cursos e Seminários  |  Dia a dia  |  Humor  |  Internacional  |  Legislação  |  Notas  |  Serviços  |  Tributário